Hoje, a hipertensão representa um dos problemas de saúde mais comuns entre idosos. Para tratá-la e proporcionar mais qualidade de vida a quem convive com a doença, é essencial realizar uma dieta para pressão alta, capaz de reduzir os níveis de sódio no sangue.

Atualmente, mais de 25,7% da população brasileira é hipertensa, segundo dados da Pesquisa Vigitel 2016. De acordo com indicadores da Sociedade Brasileira de Cardiologia, mais de 238 mil mortes no país, em 2018, foram causadas por doenças cardiovasculares.

Quando há um quadro de hipertensão, as artérias têm dificuldade de circulação e sofrem resistência, sem capacidade de contrair e dilatar. Não à toa, a doença pode agravar problemas como insuficiência cardíaca, perda de visão e acidentes vasculares cerebrais, também conhecidos por AVC.

Continue a ler nosso artigo e conheça alguns dos cuidados de alimentação necessários para idosos com pressão alta.

1. Evitar alimentos que podem agravar a hipertensão

Entre as principais causas da obstrução das artérias, estão o excesso de sódio, devido ao consumo de sal e o acúmulo de gordura saturada, decorrente de maus hábitos alimentares e do sedentarismo.

Assim, é aconselhado a pessoa hipertensa a evitar molhos prontos, comidas condimentadas e congeladas, embutidos e industrializados, já que os seus preparos costumam envolver grandes quantidades de sal.

2. Optar por alimentos ricos em potássio e magnésio

Responsáveis por promover o equilíbrio corporal hidrelétrico e, portanto, a entrada e saída de sódio das células, os alimentos que contêm potássio devem fazer parte de uma dieta para pressão alta. Entre eles estão o abacate, abóbora, banana, cenoura, couve-flor e leguminosas, como a lentilha e o feijão.

Outro nutriente aliado é o magnésio, que ajuda a dilatar os vasos sanguíneos e pode ser encontrado em aveia, batata, couve, espinafre e uva. Além dele, todos os aliados dos rins ao eliminar o sódio, e as frutas vermelhas, ricas em antocianinas capazes de combater o mau colesterol (LDL), são bem-vindos ao cardápio.

3. Trocar o sal por outros temperos naturais

Reduzir os níveis de sódio, encontrado em abundância no sal, promove uma melhoria notável a pessoa hipertensa. Para isso, é possível substituí-lo na alimentação sem que a comida perca o seu sabor por temperos e ervas naturais, como o orégano, louro, salsa, sálvia, tomilho e alecrim. Outras especiarias, como o açafrão, colorau, cravo e gengibre também podem integrar a dieta.

4. Praticar atividades físicas com regularidade

Embora não esteja diretamente relacionada à alimentação, a prática de atividades físicas pode complementar e ajudar a promover os benefícios necessários para que o idoso com hipertensão tenha mais bem-estar.

Ao incluir um esporte ou outra modalidade na qual se movimente, é possível controlar os níveis de colesterol e diminuir a quantidade de gordura corporal, cujo aumento representa fator de risco cardiovascular em casos de hipertensos.

Além disso, ao realizar uma atividade física, há a redução da pressão e melhora imediata da circulação sanguínea, irrigando os vasos por todo o corpo e, em muitos casos, auxiliando o paciente a ficar mais relaxado, já que o estresse também pode atenuar os sintomas da doença.

A partir da adoção de mudanças de hábitos simples, como as citadas neste artigo, incluídas no cotidiano de forma definitiva, o idoso pode obter muitos benefícios decorrentes da dieta para pressão alta, sendo que, o principal deles é a renovação de seu bem-estar.

Quer saber mais a respeito do tema? Então leia nosso artigo sobre saúde e qualidade de vida para a terceira idade.